quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Tantrico amor

Tântrico amor




Fico feliz

quando te vejo,

saber que existe

que esta por aqui,

na terra comigo

sinto sua falta.

Mas não me sinto só!

É louco imaginar que nunca nos amamos

nunca passeei em tua pele

jamais abocanhamos nossa vida

de maneira comum

como posso sentir a sua falta

é louca esta vida que me oferece

Oportunidade tântrica de ter muito

de só de longe te ouvir falar

de sentir seus olhos presos a me ouvir

oi, bom dia ou boa noite,

nos faz feliz

como pode algum ser

(que se diz humano)

dormir e acordar sem sentir o cheiro

do orvalho, do sorriso

da vida do dia a dia.

eu amo este poder mutante de me doar,

de me bastar.

Queria sei um abraço

Apertado

Queria te deitar ao braço

Te falar ao ouvido de mansinho

De lhe ouvir os sonhos

De suarmos com pingos de orvalho juvenis

do mais belo amanhecer



poetha Abilio Machado. 2008-10-13

pétalas ao tempo

de curvas e músicas

Movimento pela educação nos ônibus

Movimento pela educação nos ônibus