segunda-feira, 23 de maio de 2011

Problemas a se resolver para enfrentar...

Problemas a se resolver para enfrentar...




Muito comum se falar sobre pedofilia, hoje mesmo um padrasto atentou contra uma menina deixada a seus cuidados pela mãe que foi trabalhar e deixou o seu dildo em casa, é dildo mesmo você leu corretamente, consolo, pênis de borracha.

Ah! Aquele brinquedinho comprado em sexshopping que algumas mães viciadas em sexo acabam levando o primeiro que encontram para dentro de suas casas colocando em risco à sua prole...

E depois ver o canastrão de blusa na cabeça a chorar pedindo pela mãe, mostra a bestialidade de sua imaturidade a ser considerado um pai...

Que falar então da gravidez precoce?

Quando um jovem discute com a mãe também menor e joga água fervente na criança apenas por que esta não lhe pertence? Mães jogando fora seus filhos como se fossem seus cachorrinhos, é podem apostar estas pessoas que jogaram os filhos também um dia jogaram animais nos cantos escuros, em outros bairros, do bicho animal para o bicho seu um estalo...

E agora o próprio Ministério da Educação e Cultura financiando com dinheiro público mais um incentivo para que nossas crianças aprendam sexo mais cedo e de maneira que elas iriam descobrir bem mais tarde, estão apressando as coisas. Estamos confundindo a prioridade que é a educação com ensinamentos que acontecem em épocas.

Como uma amiga K. Y. Otta escreveu tempos atrás: estamos confundindo Deus e o amor e exteriorizando erros do passado, reencarnações, atrasos de caminhos.

A confusão que estamos vivendo é esta ansiedade de direitos pós ditadura sem nos atentarmos que esta mania de culpar ao outro é herança da ditadura, temos que tomar consciência que nós somos culpados por nossas escolhas.

O sexo tem entrado cada vez mais através da televisão, e aquela visão romântica está dia a dia perdendo a vez, pois torna-se símbolo de rebeldia, de fazer por fazer, de ser por ser, de até diria ‘dar sem prazer só para dar mesmo’.

Quando ouvi o ex ministro falar que uma equipe ficou três meses com salário milionário, pois não é uma realidade nacional o ganho destes funcionários e assessores, discutindo até onde ia a língua na boca das meninas na hora do beijo... Perguntei-me a frase da música da lendária Legião: Que País é Esse?!

Dentro da imensidão que são os problemas que circundam a educação, falta de estrutura, salários, investiram milhões para agradar um grupo, digo por que não agradou a todo aquele que tem a natureza homossexual, pois eles sabem que isso vai gerar muito mais bullying aos que estão agora em tenra idade do que a eles quando passaram pelas escolas, aquele que falar ao contrário jamais foi zuado ou fechado dentro de um banheiro masculino em tempo de colegial.

A calamidade das escolas é resultado também de pais permissivos, que estão perdidos dentro da educação no seio familiar, nas situações que lhes apresentam o cotidiano.

Tratar o sexo como única demonstração de amor, de afeto não é a maneira mais civilizada de se viver e de se plantar para o futuro um consciência correta, o aumento de perversidades no meio familiar e nas instituições são herdados já de uma cultura ‘do eu quero você tem de ceder’, sem se importar com a aprovação ou não do outro.

Amizade também não é sexo...

Ao invés de um gasto destes a se fazer um kit com situações nada convencionais, a cartilha simples poderia ensinar a ensinarmos como aceitar esta decisão ou escolha de vida pessoal, deveríamos aprender a dar amor e afeto real, dando condições e melhora de qualidade de vida ao estudante que muitas vezes vai à escola porque lá garante a melhor refeição do dia.

Incentivar projetos que façam as crianças melhores, melhores alunos, melhores filhos, melhores cidadãos...

Como que um estado quer promulgar leis e coibição de turismo sexual, quando vende seu produto de turismo com mulheres seminuas?

Como reduzir este turismo sexual sem uma educação correta quando o próprio MEC incentiva e diz que tem orgulho de ter investido dinheiro do povo neste projeto que no mínimo foi incoerente...

Volto a falar não é por que eu sofri bulliyng quando pequeno que vou querer enfiar goela abaixo que hoje me aturem, tenho também de respeitar o pensamento do outro senão o que seria de mim? Seria igual às atitudes que eu condeno?

Temos que nos reeducar, nem tudo é preconceito, nem tudo é racismo, nem tudo e rejeição... Sofremos com isso que hoje sofremos antes mesmo de saber o que é, sobre o que é...

Vamos todos nós enfrentarmos estes problemas, não baixemos nossos olhos e dizer amém a tudo, não é isso que estou descrevendo, estou dizendo para discernirmos sobre o assunto e entrarmos num caminho de igualitariedade completa, não basta cota só para uns e esquecermos da pobreza ao cúmulo de alguns lugares pedirem foto para que se prove ser afrodescendentes, como se só a eles foram esquecidos, sendo que na verdade todos os pobres foram esquecidos.

Vamos todos nós juntos lutarmos para um lugar melhor para todos, para mim e você...

Pois se você se põe em cota automaticamente também está me descriminalizando.

Se você como diria Maycowiski também sente seu jardim ser invadido, seu cachorro morto ou sua porta arrombada, temos é que falar juntos ou corremos o riso de ficarmos mudos!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente o que achou do texto se foi doseu agrado e ofereça sugestões... Obrigado.