domingo, 3 de julho de 2011

Calcinha

__Não é mais uma simples peça de roupa.



Do inventor da calcinha: ginecologista inglês,

Eram lá meados de 1859, recomendava:

__Vamos senhoras usem esses calções sob seus vestidos.

A evolução e o uso ganhou até devotos

Na aprovação da religião...

Ao sexo era a repressão.



O horror do tipo cuecão

Tecido grosso de cru algodão,

Folgada e amarrada

Na cintura por um cordão.

Ou com elástico nas bordas

Aquela coisa espantosa mais parecia um balão

Ficava um algo assim desconexo

Nas fantasias sexuais,

Na imaginação que se desenrola

De se pôr a ver a donzela,

...Na varanda sem ela.



Na calcinha de hoje, os tipos são transversos

Em si são cada uma, um objeto.

A sua beleza que provoca,

Cortes que nem tem cortes,

As cores do neutro ao fluorescente,

E essa minha mente

Já começa a ficar indecente...

As texturas naturais,

Transparências e rendas:



__Comestíveis ou atrevidas...



Desenham a mulher curvilínea.

Levantam o bumbum

Realçam o quadril

Cada erotização à sua forma

Dos ares de adolescente à uma fêmea fatal...



Fio cheiroso, cinta-liga

Vibrador com controle.

Nas cores e o perfume

É o vinil ou silicone

Que dizer dos outros olhares,

Limitando as pernas a dançarem,

Na rua, a cor de uma calcinha, hoje

Se vê expostas no ''cofrinho'',

Que foge sorrateiramente

Na moda!

Bendito cós baixinho.

Que nos presenteia o tesão,

mas mutila

A sua maioria com duas cinturas frias...



E os moleques arruaceiros

Com seus celulares não perdem a oportunidade

Que em suas câmeras embutidas

Em nome da masturbação coletiva

Jogam ‘las películas’ na internet...



A intensidade de manifestação

Esse poder de excitação

É quando na festa dançando agarradinhos

Uma voz se faz ao ouvido

__Hoje estou descontrolada

Vim sem para não deixar ela molhada...



É pelo conforto ou pelo modismo

Mas tem quem procure piolho e chifre em cavalo...

Nem vou citar o estado do que falo

Nesse jogo a sedução,

Faz saltitar não só o coração...



A mulher que provoca é aquela que esconde

Ah essa faz o corpo tremer...

Pode fazer enlouquecer

Pois a lei da natureza é clara:

__Quem mostra carne em vitrine é açougue

Faisão escondido aguça mais o bom paladar...



Por Abilio Machado. 26052011.



(Essa prosa cantada nasceu depois de ler resenha rápida de Maurílio J. Maína, ginecologista e especialista em terapia sexual)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente o que achou do texto se foi doseu agrado e ofereça sugestões... Obrigado.