segunda-feira, 14 de novembro de 2011

É...Édipo...enfim...decidiu...morrer.


Neste último domingo, 13 de novembro, encerrou-se a temporada de ÉDIPO, EM COLONO,
pelo menos para este grupo e esta concepção campezina e bem ilustrada
deste mágico que é Luthero de Almeida, que discursou, agradecendo a cada participante em particular por sua doação, quando nós é que somos gratos a ele, pela decisão incontida de nos convidar a fazer parte desta história muito bem contada por ele, em suas palavras falou sobre o teatro e os projetos paranaenses que infelizmente já nascem com data marcada para morrer...em agosto nascem sabendo que em novembro serão enterrados...bem como lembrou da necessidade de que os responsáveis pelos projeto, de os liberarem ao menos uma vez surpreendessem e se fizessem presente para ver de perto o que foi realizado com o dinheiro do povo, um teatro maravilhoso ao povo...




o trabalho de costura intensa,
cheia de ação, com a colaboração de Ronald Pinheiro, seu assistente de direção... menino cheio de molejos e fururus, que deram às deusas de Colono movimentos, circulares, quebrados e dançantes...nossa injeção de ânimo aos rodopios e rastejos...



Este trabalho veio trazer um grande aprendizado a todos que integraram esta experiência,
todos gostaríamos que como é comum o trabalho fosse levado por muito mais tempo,
cito-me como exemplo pois Morte e Suco de Laranja completou sete anos em apresentações
exporádicas porém contínuas, sem mudanças no elenco, apenas na técnica (som e luz),



Amor e Loucura ficamos dois anos, e contando com 16 membros...



e agora Dr. Mouse entrará para o segundo ano, e assim vai, somando-se a repertório do grupo... aos 'esquecidos', 'dona norma', 'cinema italiano' entre outros



Luthero fez um agradecimento emocionadíssimo, o elenco colocou o seu 'tudo de bom',
o trabalho fluiu, fizemos acontecer...
Um curto período onde conheci figuras espetaculares como esta menina, que tem o nome e sobrenome de minha mãe, e pasme a mesma maneira de ser, me comovia a cada momento... Pois Helena, para mim sempre é Helena...ainda mais quando é Portela.



Pude, conhecer e trabalhar com o filho de uma grande amiga, e por dias eu não sabia que ele era ele, vim a saber dias depois...Sartori...é um bom menino...estudante do corpo e seus movimentos pela dança...



Realizei meu grande desejo de a muito trabalhar com este meninão, que me deu um baita susto pois em um momento de explosão quis fazer um carinho sádico no produtor...Por alguns dias implantou-se o clima do hades ...mas como todo grande homem fez o que deveria fazer... e agiu assim... ganhando mais admiração ainda...


Mas, esse carinha aí é de uma doação incrivel, a cada dia partilhava alguma coisa, se não fosse o café, a água, a bolacha, até aconstumou mau minha bebe, a Alexia, que quando eu chegava já vinha na mochila e o tio mandou bolacha?



Esse menino-homem é sábio, cheio de conselhos, como disse acima, a cada dia vinha e sussurrava com o seu vozeirão maneiras de se interpretar, o uso da voz, das entonações...e neste ontem de fim, coloquei uma palavra a mais, pois sua personagem desde os ensaios era por demais cretina, muito cretina, acima de cretina...Creonte era um misto do político e do fanfarrão... Obrigado Plínio, mesmo.


(Teseu (Poetha) confrontando Creonte (José Plínio)- no elevado.

Que dizer desta pessoa? Tivemos um pequeno entreverin... Resolvido graças a Diós... Mãe de duas figuraças... Ela como eu às vezes tinha de levar a crinçada junto aos ensaios, pois nossos pequenos cobram presença...





E Ivo Prati, este sujeito é muito gente boa, meio chato às vezes, mas acho que é a idade..hahahahahahaha...
aprendi com ele... com cada um  que comigo pisou este espaço santo, Teatro é um espaço santificado, que merece nosso respeito, nossa devoção..


Enfim, ele, o responsável pelo projeto, que teve a loucura de juntar todo e este povo... Vê os olhos fechados? foi quando descobriu que trabalhar com atores...é sim! uma loucura!







Temos os agregados também... Amaranta, veio somar ao time, uma meninota mãe de um piazito que é muito bom, que fez muita bagunça comigo, e deu para perceber que tem uma ligação perceptiva muito grande com a arte como a mãe...



aí tinha o carinha que desenhou as roupas, o Burigo, vocês não acreditam mas fiz curso de figurinista também, em 1985, quando voltei do quartel, a convite então do pesidente do FITAP- Federação Independente de Teatro Amador do Paraná... o inesquecível Divonsir Ferreira, substituindo  Laerte Ortega..


Também chegou para somar o guri, de uma mão extraordinária e um jeito só dele...o Marcelo


também seu ajudante, putz, esqueci o nome dele, mas saiba que está aqui, registrado, ambos sempre prestativos...

A Sonoplastia ficou por conta de Thiago Lima, meninão que conheci quando ainda bem jovem, ele, é claro, numa noite dia que nos conhecemos decidimos montar Uma família quase perfeita, e quase estive com ele na peça...

Como a minha amiga Elaine Pereira que cuidou da iluminação, esta mulher é marrenta que só, mas gente da melhor qualidade,  com seu esposo Brás... baixinho invocado... só propaganda enganosa...hahahahaha...


Viajamos juntos outrsa vezes  a trabalho, com a peça Nosso Lar...



Mas enfim...Édipo, acompanhado por Teseu galgou outros andares, foi para seu espaço etéreo, sob uma luz extraordinária, deixando a Grécia com mais uma história, mais um mito, e agora temos mais um complexo a descobrir, a relação edipiana com Thanatos ( a morte)...
Como as figuras do Sítio Sagrado de Colono... Eumênides ou Erínias... Sacerdotisas ou Emancipadas... Seriam elas as primeiras Walquírias ou as primeiras Vestais?



Deixando um povo, uma terra, uma história até hoje explorada de tantas e tantas formas, gregos um povo aguerrido, cheio de inteligência nas medidas sobre o real e o fantástico, num tempo em que o perdão e o amor era usado de maneira simples e radical, sem meio tons, com a força que merecia a cada escolha...




Uma época de representação sob máscaras, de grandes escritores e grandes tragédias, mas não seriam eles apenas anuciadores dos comportamentos vindouros?
não vemos em nossos dias Édipos, Antígonas, Ismenes, Estrangeiros, Tirésias, Creontes, Polinices, Teseus, Xamãs e um povo meio que perdido no turbilão que se chama vida?

Quantos de nós ao olharmos no espelho pela manhã não escolhemos nossa melhor máscara como dizia-se na abertura de SÓ ACONTECE NA CASA DO VIZINHO!' (1998 -2003) pelo Ministério Cênico Angelo's Marianos...




Qual máscara? Qual você escolhe?
Para esta produção, montei 32 máscaras para serem escolhidas apenas 07...




























Eis alguns dos modelos feitos, e entre eles alguns dos escolhidos... Adoro trabalhar oferecendo dimensões aos meus trabalhos...
alguns agradam e outros nem tanto...Como a marmorização realizada sobre a madeira... que precisava ser feita, dá para se notar pelas expressões do diretor que o cenário estava encruado e isso uma semana e meia antes da estréia...



 Este ...o dia em que ele me pediu se eu faria o trabalho sobre os praticáveis que estavam já até edscascados a mão de tinta que haviam colocado sobre os laminados...






É assim que pensei ... e devia não ter pensado.... que a idéia era para que fosse duradoura, pensava que seguiríamos além do projeto, e dentro de uma visão de distância... como as obras impressionistas... mas a 'quem não pensasse' assim...






mas no contexto final tudo ficou bonito...


 Com papel craft, lembrando bem aqueles tempos de Igreja onde decorávamos os presépios da capela...




 A colocação das folhas e das barbas de pau, vieram dar um ar mais lógico sobre o papel que estava cru e ainda guardando umidade...

Assim se fez Édipo... Uma peça como todas as outras, com uma diferença... Um texto com mais de 2400 anos... que passou por incríveis gerações e dele fiz parte pela primeira vez realzado no Brasil...
A cada um de vocês que participaram foi um grande prazer estar lado a lado com vocês durante os ensaios e durante as apresenrações...
um beijo grande em cada coração...


 Cada dedo apertado no spray para criar estes panoramas nos tecidos....

cada dia que estive a fazer estes praticáveis, contando com a companhia de minha bebe, pois tinha de levá-la junto...

 Quando levei a roupa do coro para lavar, as experiências no tecido....
 El Negrón...ao telefone, este menino és impossíbile...
Ivo Prati, se arrumando...

 Uma visão do cenário à craft sem iluminação...

A cena mais cretina de Creonte quando ele diz que sofre pelo abandono de Édipo...

Imagem de início da coxia...

o ritual de abertura de Luthero e suas batidas relembrando Moliere

Nosso terceiro sinal... Moliere

A fortíssima cena de Polinices e Édipo...

Visão do publico do início...

Visão de lado, coxia esquerda do início...

Entrada das eumênides no início, para deixareem a luz...

A entrada do Xamã....

Creonte enfrenta o povo para tripudiar Édipo



O fim...


 Teseu volta da guerra contra Creonte para recuperar as filhas de Édipo que foram raptadas


Hoje...é só...se acaso me deparar com mais alguma foto do espetáculo postarei para ao menos matar a saudade diária de cada um de vocês.
MAS, NÃO ME CHAMEM DE LOUCO...
ASSIM ÉDIPO DECIDIU MORRER
AOS 13 DE NOVEMBRO DE 2011...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente o que achou do texto se foi doseu agrado e ofereça sugestões... Obrigado.